Audiência pública do tarifaço 2013.

Fruet (direita), prefeito recém eleito de Curitiba nomeia Bertoldi Secretário da Habitação.Bertoldi é do clã que explora o transporte coletivo da cidade.

Fruet (direita), prefeito recém eleito de Curitiba nomeia Bertoldi Secretário da Habitação.
Bertoldi é do clã que explora o transporte coletivo da cidade.

PREFEITO ELEITO, CONCESSIONÁRIO SATISFEITO.

Como sempre, a prefeitura repete a fórmula: audiência pública em espaço apertado e culpabilizações para o aumento da passagem. Desta vez, requentando a estratégia, a idéia é demonizar os trabalhadores do transporte coletivo, que no momento, buscam não apenas corrigir perdas históricas, mas também acompanhar os aumentos da passagem aplicados por seus patrões na tarifa, segundo a própria URBS.
Prefeitura e grandes grupos de comunicação questionam a reivindicação de 30% dos trabalhadores, sem questionar o aumento demandado pelos concessionários, inconsistências de planilhas, etc..
Entendemos que a reivindicação poderia ser até maior, pois condições de frio, ausência de sanitários e riscos de vida justificam adicionais de periculosidade/insalubridade suplantando o valor de 30% pleiteado.
É provável também que os trabalhadores do transporte tenham finalmente enxergado que não há absolutamente razão alguma para permitirem que seus baixos salários sejam onerados, já que a única função dos patrões é montar redes de influência na elite político-partidária e judiciária do estado.

Entenda como funcionam os riscos e benefícios deste NEGÓCIO, que é o SEU DIREITO DE IR E VIR:

COMPARATIVO DE DIREITOS E RESPONSABILIDADES
TRABALHADORES CONCESSIONÁRIOS
GANHOS Possuem salário baixo e concorrem com outros trabalhadores desempregados. Ganharam licitação pedindo o valor máximo possível, absolutamente sem concorrentes.
CORREÇÃO NOS GANHOS Em termos de salário, jamais ganham o que pedem. Em termos de repasse ou “tarifa técnica”, o que pedem, ganham. Inclusive já estão ganhando os R$ 3,05 que pediram, gerando rombo no orçamento municipal e ameaçando integração com região metropolitana.
ACIDENTES Em acidentes, como no caso da tragédia da Tiradentes, o motorista pode ser preso ainda ferido e em estado de choque. Em acidentes, como na tragédia da Tiradentes, até hoje não houve responsabilização dos concessionários.
ESTABILIDADE Não possuem estabilidade no emprego, podendo ser demitidos a qualquer momento. Possuem estabilidade: o contrato da última licitação é para até 25 anos.
PARALIZAÇÕES Quando fazem greve, são multados pelos nobres juízes e promotores da sociedade paranaense. Não há qualquer responsabilização/ penalização pela greve de seus funcionários, já sendo vista pela população como LOCKOUT proposital, para forçar os aumentos.
PREJUÍZOS Assumem responsabilidades: prejuízos com assaltos (isso quando sobrevivem) ou fura tubos, são muitas vezes cobrados dos trabalhadores. Não assumem responsabilidades: sequer pela compra de equipamentos se resposabilizam, acusando a URBS como culpada por terem comprado vários ônibus que não cabiam na canaleta.
AUMENTO DA VELOCIDADE E FATURAMENTO Não assinaram o contrato da licitação fraudulenta que aumentou a velocidade média dos veículos, mas sofrem penalização por atrasos. Sem consulta aos trabalhadores do sistema, assinaram unilateralmente com a URBS o contrato da licitação fraudulenta, prevendo aumento da velocidade média, para aumentrar faturamento sem aumentar frota.

A boa notícia é que a autogestão nunca esteve tão próxima!

ESTÁ BASTANTE CLARA A DEMONSTRAÇÃO DE QUE O TRANSPORTE COLETIVO DE CURITIBA É VITUALMENTE OPERADO POR UMA COOPERATIVA DE TRABALHADORES, TODAVIA, SUJEITA À PRESSÃO DIRETA DA CONTRATANTE URBS E AOS RISCOS DA CONTRATAÇÃO.

Qual a função dos empresários que já ocupam o posto há décadas????

A resposta é simples: possuir os ônibus e garagens e com isso onerar a tarifa e a mão de obra operacional.
Como resolver isso?
Para a posse dos ônibus, a solução é simples: FROTA PÚBLICA.
Como?
A prefeitura pode utilizar parte do dinheiro da PPP do METRÔ CURITIBANO que ela quer empurrar-nos guela abaixo: de fato, como já dissemos, os 3 BI do projeto METRÔ CURITIBANO serviriam para adquirir a frota e ainda sobraria muito, mas muito mesmo! O suficiente para subsidiar anos de passe livre.
E a mão de obra?
Cooperativa, afinal já é o que eles são.
E o controle?
Conselhos paritários!
Mas e ainda daria para fazer passe livre?
Sim, com recursos da oneração progressiva do iptu.

Calma. Sem dúvida sabemos que não é tão simples assim, mas temos certeza de que podemos caminhar nesta direção desde já, através da frota pública, evitando-se, de quebra, mais uma PPP nas costas do cidadão brasileiro.

No mais, a audiência pública foi enorme avanço popular. Data desde a ditadura militar ausência de debate público oficial em Curitiba sobre a matéria. As numeráveis e relevantes falas das diferentes entidades, surpreendentemente, em conssonância programática foi o destaque principal. O sindicato dos trabalhadores do transporte coletivo lúcido na denúncia de fraude nas planilhas, compreendendo a impotância das gratuidades serem subsidiadas pelas empresas e não pelos usuários bem como greve da categoria como instrumento de pressão e denúncia das condições precárias de trabalho e sugestão de catraca livre para não prejudicar a população. Entidades como Dieese e outras que acompanham de perto a ‘caixa preta da URBS’ e a diminuição de usuários do transporte coletivo, graças aos preços absurdos, também se opuseram à questão do reajuste. Houve até militantes de partidos que defenderam frota pública, passe livre universal, amplo e irrestrito com oneração pelo IPTUprogressivo como forma de subsídio para o transporte tornar-se público efetivamente.

Todas essas intervenções trazem consigo em uníssono grito as antigas pautas defendidas pelo MPL. Foi a primeira vez que participamos de um debate onde a pulverização do programa de mobilidade urbana sustentável à população como um todo, foi abarcado de maneira tão ampla por diferentes entidades.

Esperamos que este seja o início de uma nova era para o transporte na Região Metropolitana e em Curitiba. Já é passada hora do fim da mercantilização do transporte coletivo.

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

2 respostas para Audiência pública do tarifaço 2013.

  1. Pingback: Dieta da ruas: Curitiba também merece! | Bicicleteiros

  2. Ronaldo disse:

    Tomemos cuidado para que a esperteza de alguns políticos (e não são poucos ) encostem, se promovam tentando colher louros ( votos) de manifestações populares que surtam efeito tal como o que vem acontecendo. Marcar em cima sempre e cobrar sempre, afinal eles são pagos com o nosso dinheiro.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s